O que mudou desde o incêndio do museu nacional?

Compartilhe

Educativo Memorial

Domingo, dois de setembro de 2018.

Um terrível incêndio destruiu a maior parte do acervo do Museu Nacional. Como boa parte da estrutura do prédio era de madeira e muitos materiais inflamáveis estavam no local, o fogo se espalhou rapidamente, causando uma perda imensurável.

Com um acervo de aproximadamente 20 milhões de itens, a instituição científica mais antiga do país abrigava um rico patrimônio do povo brasileiro e da humanidade. Em entrevista à BBC Brasil, o então diretor do museu, Alexander Kellner, afirmou que o dano para a cultura humana era desolador.

“Tinha material etnográfico que representava tribos distintas. A existência dessas tribos se resumia a um exemplar que estava na nossa coleção. Essas tribos correm o risco de serem riscadas da história como se elas nunca tivessem existido”.

Comoção mundial

Objetos de extremo valor para o saber da história das Américas foram perdidos, como um trono pertencente ao rei Adandozan, do reino de Daomé (atual Benin), na África. Com isso, várias pessoas e instituições, entre as quais o Museu do Louvre e o Museu de História Natural de Londres, manifestaram em redes sociais, como o Twitter, sua indignação e solidariedade. De acordo com a análise da FGV, foram 1,6 milhões de posts sobre o incêndio.

“É com grande tristeza que recebemos a notícia do incêndio dramático que atingiu o Museu Nacional no Rio de Janeiro. O Museu do Louvre manifesta sua mais forte solidariedade com o Museu e suas equipes. É grande a perda para o Brasil e para o patrimônio do Mundial.”
“Nossos pensamentos estão com todos do Museu Nacional e todos os brasileiros após essa terrível notícia e devastadora perda para o patrimônio e para a ciência.”

Essa comoção na internet foi fundamental para o apelo às doações. Logo nos primeiros meses após o incêndio, foram arrecadados R$90 milhões para ajudar na reforma da instituição. Agora, dois anos após o incêndio, tem-se até o momento cerca de R$185 milhões, metade dos R$370 milhões necessários para a obra.

A história se repete?

Prédio do Museu de História Natural da UFMG (2020), Cinemateca Brasileira (2016), Museu da Língua Portuguesa (2015), Liceu de Artes e Ofícios (2014), Memorial da América Latina (2013), Museu de Ciências Naturais da PUC Minas (2013), arquivo do Hospital Psiquiátrico do Juqueri (2005), acervo do Museu  de Arte Moderna no Rio de Janeiro (1978). Esses são alguns dos museus brasileiros que sofreram e perderam muito com incêndios. Além deles, há também vários outros lidando com problemas nas estruturas de seus prédios e correndo diversos riscos para seu trabalho e acervo.

Desde 2014, as verbas para os museus vêm caindo; são poucos os investimentos na cultura, e é de se notar o desinteresse político em estimular o incentivo financeiro. Um dia após a tragédia, o jornal O Globo disponibilizou em seu canal do YouTube um vídeo que denuncia o descaso por trás do incêndio. Com depoimentos de pessoas que trabalhavam no museu, que há anos presenciam e vivem o sucateamento da instituição. 

O museu vive

Dois anos depois, a instituição segue viva graças ao trabalho das pessoas que dedicam suas vidas e carreiras a ela. Um grupo de pesquisadores do museu trabalha incessantemente no resgate das peças atingidas pelo fogo, na tentativa de reconstrução de parte do acervo perdido. Aos poucos, algumas peças estão sendo recuperadas, como os itens da grande coleção imperatriz Tereza Cristina, que datavam do século 7 a.C. ao 3 d.C., e que foram apresentadas à imprensa no dia 01/09/2020.

Com o recebimento de importantes verbas e doações, o museu segue em reforma, com o objetivo de reabrir parcialmente em 2022. E o museu não pára. Uma parceria entre UFRJ, Unesco e Fundação Vale possibilitou o projeto Museu Nacional Vive com diversas ações. Entre elas, o lançamento de uma versão digital da exposição “Os Primeiros Brasileiros”.

Com tudo isso, um aprendizado fica evidente: precisamos sempre e cada vez mais preservar e valorizar nossa cultura, memória e história. Seja as que estão dentro de uma instituição museal ou aquelas que cercam nosso cotidiano em cada canto do país.

Crédito da Fotografia: Reuters/Ricardo Moraes


Referências

BOAS, Isabelle Villas. Museu Nacional renasce das cinzas; O Fluminense. Disponível em: <https://www.ofluminense.com.br/cidades/33-rio-de-janeiro/8964-museu-nacional-renasce-das-cinzas>. Acesso em: 03 de set. de 2020

CUNHA, Carolina. Ciência – o que o Brasil perdeu com o incêndio do Museu Nacional?; UOL. Disponível em: <https://vestibular.uol.com.br/resumo-das-disciplinas/atualidades/ciencia-o-que-o-brasil-perdeu-com-o-incendio-do-museu-nacional.htm>. Acesso em: 02 de set. de 2020

FEITEN, Patrícia. Incêndio do Museu Nacional deixa prejuízo inestimável para Brasil e o mundo; Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas. Disponível em: <http://www.fna.org.br/2018/09/04/incendio-do-museu-nacional-deixa-prejuizo-inestimavel-para-brasil-e-o-mundo/>. Acesso em: 02 de set. de 2020

FRANCO, Luiza. Humanidade perdeu mais com incêndio do Museu Nacional do que na Notre-Dame, diz diretor da instituição brasileira; BBC News Brasil. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-48550660>. Acesso em: 02 de set. de 2020

Incêndio no Museu Nacional: veja a repercussão na imprensa internacional; G1. Disponível em: <https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/09/02/incendio-no-museu-nacional-vira-noticia-na-imprensa-internacional-veja-a-repercussao.ghtml>. Acesso em: 02 de set. de 2020

MORI, Letícia. Como o incêndio no Museu Nacional foi explorado pelos dois lados do espectro político; BBC News Brasil. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/amp/brasil-45403526#aoh=15989901198609&referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s>. Acesso em: 02 de set. de 2020.

O que se sabe sobre o incêndio no Museu Nacional, no Rio; G1. Disponível em: <https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2018/09/04/o-que-se-sabe-sobre-o-incendio-no-museu-nacional-no-rio.ghtml>. Acesso em: 02 de set. de 2020

PITASSE, Marina. Dois anos após o incêndio, novas peças históricas são encontradas no Museu Nacional; Brasil de Fato. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2020/09/01/apos-dois-anos-do-incendio-novas-pecas-historicas-sao-encontradas-no-museu-nacional>. Acesso em: 03 de set. de 2020

SOARES, João. Museu Nacional segue em reconstrução e deve reabrir parcialmente em 2022; UOL. Disponível em: <https://www.bol.uol.com.br/entretenimento/2020/09/02/museu-nacional-segue-em-reconstrucao-e-deve-reabrir-parcialmente-em-2022.htm>. Acesso em: 03 de set. de 2020

VIDON, Filipe. UM ANO DE INCÊNDIO NO MUSEU NACIONAL: ‘TIVEMOS QUE LIDAR COM OS TRAUMAS NA MARRA’. Época. Disponível em: <https://epoca.globo.com/cultura/um-ano-de-incendio-no-museu-nacional-tivemos-que-lidar-com-os-traumas-na-marra-23916554>. Disponível em: 02 de set. de 2020


O setor de Educação e Difusão Cultural é responsável pelas diversas ações educativas em andamento no Memorial em em suas plataformas digitais. Em linhas gerais, nosso objetivo é ajudar o público a conhecer, por meio de diferentes percursos, a história de vida do Presidente Itamar e sua trajetória política, paralelamente a aspectos concernentes à História da República.

Siga o Memorial