12 livros que merecem entrar para sua lista de leitura

Compartilhe

Educativo Memorial

Não é nenhum segredo que o hábito de ler traz inúmeros benefícios. Estudos recentes, de diversas universidades estrangeiras, têm reforçado ainda mais esse discurso. Pesquisadores da Universidade de Sussex (Inglaterra), por exemplo, constataram que em apenas seis minutos de leitura a frequência cardíaca diminui e a tensão nos músculos é aliviada, reduzindo o estresse em 68%.

O que em momentos como o que estamos vivendo atualmente, bombardeados diariamente de diversas informações que nos abalam emocionalmente, é sem dúvidas uma forma importante de alívio. Para além disso, o pesquisador do Instituto do Cérebro (InsCer) e professor da Escola de Ciências da Saúde e da Vida Augusto Buchweitz, destaca:

O hábito de leitura tem relação comprovada com uma melhor qualidade de saúde mental. A leitura, por envolver imaginação, mentalização, antecipação e aprendizagem (sempre aprendemos, ao menos, palavras novas), funciona como um ‘exercício’ para o cérebro humano. Apesar de não ser um músculo, o nosso cérebro precisa ser estimulado.

O Educativo Memorial fez uma seleção de 12 excelentes livros, que vão da ficção à discussões importantes e necessárias da nossa sociedade. Aproveite a leitura 😉

Bucala – Davi Nunes
Primeiro livro de contos do soteropolitano Davi Nunes, a obra resgata o nome de um quilombo histórico no centro de Salvador, o Cabula, que já não existe mais, porém preserva, nos bairros que se formaram depois, as ricas manifestações artísticas e culturais oriundas da população negra. Bucala: A pequena princesa do quilombo do cabula (Editora Uirapuru) reconta a história do quilombo por meio da figura da princesa quilombola que tem o cabelo crespo em formato de coroa de rainha e possui poderes que protegem o quilombo dos escravocratas e capitães do mato.

Tudo nela brilha e queima- Ryane Leão
O livro reúne reflexões sobre questões subjetivas e comuns a todas as mulheres, atingidas pelas diversas formas de violência que existem em uma sociedade machista cotidianamente. Por outro lado, a obra também fala sobre a ancestralidade, o acolhimento e o cuidado que existe entre as mulheres, e, mais do que isso, a força e resistência inerente ao gênero feminino.

Ideias Para Adiar o Fim do Mundo – Ailton Krenak
O livro é uma compilação de ideias expostas por Ailton Krenak, um dos maiores pensadores indígenas do país, e que foi objeto de um ensaio de Raquel Reis aqui no Panteão. O eixo central do livro é uma crítica à percepção dos seres humanos como sendo apartados da natureza. Para o autor, esse pensamento faria com que os seres humanos se sentissem superiores à natureza, podendo dominá-la e até destruí-la, caminhando para o fim do mundo. O livro propõe um novo modo de existência que perceba os seres humanos como iguais a tudo o que a natureza já produziu.

O Conto da Aia – Margaret Atwood
O romance distópico de Margaret Atwood se passa num futuro muito próximo e tem como cenário uma república onde não existem mais jornais, revistas, livros e filmes. As universidades foram extintas. Também já não há advogados, porque ninguém tem direito à defesa. Nesse Estado teocrático e totalitário, as mulheres são as vítimas preferenciais, anuladas por uma opressão sem precedentes. O nome dessa república é Gilead, mas já foi Estados Unidos da América. Uma das obras mais importantes da premiada escritora canadense, conhecida por seu ativismo político, ambiental e em prol das causas femininas, O conto da aia foi escrito em 1985 e inspirou a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original), produzida pelo canal de streaming Hulu, em 2017. As mulheres de Gilead não têm direitos. Elas são divididas em categorias, cada qual com uma função muito específica no Estado. À Offred coube a categoria de aia, o que significa pertencer ao governo e existir unicamente para procriar, depois que uma catástrofe nuclear tornou estéril um grande número de pessoas.

O povo brasileiro – Darcy Ribeiro
O povo brasileiro é a principal obra do antropólogo Darcy Ribeiro. Aponta para o processo de formação da sociedade brasileira, a presença de diferentes “brasis” dentro do Brasil e a coesão em torno de uma ideia de nação. Nele, o autor debate a forma de ocupação e urbanização presente no país, bem como as desigualdades presentes nesse sistema e os modos de desenvolvimento de um povo-nação com uma própria etnia nacional.

1984 – George Orwell
Ao lado de A Revolução dos Bichos, o livro 1984 é um dos mais famosos de George Orwell. A obra já ganhou versões de filmes, minisséries, quadrinhos, traduções para 65 países e uma polêmica fama, que não é à toa! Em seu último romance, o autor criou um personagem chamado Winston, que vive aprisionado em uma sociedade completamente dominada pelo Estado. Essa submissão ao poder é relatada, inclusive, na rotina desse personagem, que trabalha com a falsificação de registos históricos, a fim de satisfazer os interesses presentes. Winston, contudo, não aceita bem essa realidade, que se disfarça de democracia, e vive questionando a opressão que o Partido e o Grande Irmão exercem sob a sociedade. A inspiração do livro vem dos regimes totalitários das décadas de 30 e 40 e, é assim, sob a ótica da ficção, que o autor faz com que seus leitores reflitam sobre o sistema de controle, que depois de tanto tempo ainda é muito questionado.

Cor não tem gênero – Obra coletiva
A antologia Cor não tem gênero traz oito contos pelas mãos dos escritores Danilo Barbosa, Leonardo Antan, Luiz Gouveia, Rafael Ribeiro, Brenda Bernsau, Cínthia Zagatto, Janaina Rico e Thati Machado. A obra é um manifesto pela diversidade. Mais do que reforçar a ideia de que cores não têm gênero, o livro busca contemplar a beleza da liberdade de poder ser quem quiser. Além disso, é um lembrete de que arte é resistência e de que não aceitaremos NENHUM DIREITO A MENOS.

Amora – Natalia Borges Polesso
Amora é um livro de contos com mulheres lésbicas e protagonistas em todas as histórias. Além de falar sobre relação lésbica, o livro traz diversos estágios e momentos vivenciados por mulheres lésbicas, discutindo abertamente sobre lesbianidade. Amora também tem um brilho a mais, que dificilmente encontramos em livros na literatura LGBT. Temos quase um “padrão” de personagens: uma já possuía sua sexualidade bem definida; enquanto outra personagem ainda iria ou estava se descobrindo.  Em Amora, a autora Natalia Borges Polesso consegue inserir personagens que estão se descobrindo, mas também mulheres lésbicas que passam pelo término de uma relação; e dentre tantos outros assuntos, mulheres lésbicas que estão vivenciando a velhice. Isto é, Amora abarca uma gama de momentos da vida. Natalia ainda foi a ganhadora do Prêmio Jabuti de 2016.

O genocídio do negro brasileiro – Abdias Nascimento
Ao longo do século passado, prevaleceu a visão de que os descendentes dos africanos se encontravam, no Brasil, numa condição muito mais favorável do que a vivida pelos negros no sul dos Estados Unidos ou na África do Sul do apartheid. Mais do que estabelecida, essa era uma visão oficial: o Brasil seria uma democracia racial, um lugar em que o grande problema do negro era a pobreza e não o preconceito de cor. Foi contra essa falácia que Abdias Nascimento se insurgiu ao apresentar, no Segundo Festival de Artes e Culturas Negras, em Lagos (Nigéria, 1977), em plena vigência da ditadura militar, um texto combativo, a começar pelo título, demonstrando que a condição dos negros no Brasil não era realmente como aquela nos EUA ou na África, era pior, vítimas que são de um racismo insidioso, de uma política que conduz a um genocídio, para usar o termo do autor, que, ausente das leis e dos discursos políticos, se revela cotidianamente.

Quarto de despejo – diário de uma favelada, Carolina Maria de Jesus
O livro é o diário autobiográfico de Carolina, uma catadora de papéis, semi-analfabeta, negra, pobre e favelada. O diário registra fatos importantes da vida social e política do Brasil, iniciando-se em 1955 e terminando em janeiro de 1960. O livro traz tanto impressões pessoais quanto das condições miseráveis de vida em uma favela. A autora é, até hoje, considerada uma das mais importantes escritoras negras do Brasil. Passou boa parte da vida morando na favela do Canindé, em São Paulo. É um dos livros brasileiros mais conhecidos no exterior, mas ainda não tão celebrado por aqui.

Terra Sonâmbula – Mia Couto
Terra Sonâmbula ganhou o Prêmio Nacional de Ficção da Associação dos Escritores Moçambicanos e foi considerado um dos doze melhores livros africanos do século XX. A obra retrata o Moçambique pós-independência, mergulhado em uma devastadora guerra civil, em que um velho e um menino mergulham em fantasias míticas.

O Pequeno Príncipe – Saint-Exupéry
Sem dúvidas, um clássico! A maior obra existencialista do século XX, segundo Martin Heidegger! Um piloto cai com seu avião no deserto e ali encontra uma criança loura e frágil. Ela diz ter vindo de um pequeno planeta distante. E ali, na convivência com o piloto perdido, os dois repensam os seus valores e encontram o sentido da vida. Com essa história mágica, sensível, comovente, às vezes triste, e só aparentemente infantil, o escritor francês Antoine de Saint-Exupéry criou há 70 anos um dos maiores clássicos da literatura universal. Não há adulto que não se comova ao se lembrar de quando o leu quando criança.

Crédito da foto de capa: Abdias Nascimento (Larissa Larkin Nascimento/Itaú Cultural)


Referências

AZEVEDO, Sílvio. Em tempos de quarentena, livros podem ser bons aliados para a mente; Diário de Uberlândia. Disponível em: <https://diariodeuberlandia.com.br/noticia/25135/em-tempos-de-quarentena-livros-podem-ser-bons-aliados-para-a-mente>. Acesso em: 30 de set. de 2020

Hábito de leitura estimula o cérebro e promove benefícios para a saúde mental; PUCRS. Disponível em: <https://www.pucrs.br/blog/habito-de-leitura-estimula-o-cerebro-e-promove-beneficios-para-a-saude-mental/>. Acesso em: 30 de set. de 2020

LeiaComOrgulho: Mais de 50 livros LGBT+; Blog da Companhia. Disponível em: <https://www.blogdacompanhia.com.br/conteudos/visualizar/LeiaComOrgulho-Mais-de-50-livros-LGBT>. Acesso em: 29 de set. de 2020

MENEZES, Pedro. Livros para ler e manter a mente ligada durante a quarentena (2020); TodaMatéria. Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/livros-para-ler/amp/#referrer=https://www.google.com>. Acesso em: 29 de set. de 2020

SUDRÉ, Lu. BdF Indica | 15 livros para ler durante a quarentena; Brasil de Fato. Disponível em: <https://www.brasildefato.com.br/2020/03/29/bdf-indica-15-livros-para-ler-durante-a-quarentena>. Acesso em: 29 de set. de 2020

9 livros para refletir sobre a questão racial no Brasil; Exame. Disponível em: <https://exame.com/brasil/9-livros-para-refletir-sobre-a-questao-racial-no-brasil/>. Acesso em: 29 de set. de 2020


MRPIF

O setor de Educação e Difusão Cultural é responsável pelas diversas ações educativas em andamento no Memorial em em suas plataformas digitais. Em linhas gerais, nosso objetivo é ajudar o público a conhecer, por meio de diferentes percursos, a história de vida do Presidente Itamar e sua trajetória política, paralelamente a aspectos concernentes à História da República.

Siga o Memorial