Os movimentos sociais na luta por um regime democrático brasileiro

Compartilhe
O material a seguir integra a pesquisa para a composição da exposição "Seres políticos, seres plurais"

O processo que envolveu a longa transição para o retorno da democracia no Brasil foi constituído por diversas forças, entre elas os movimentos sociais, principalmente os representados por estudantes, feministas, negros e operários. Os movimentos sociais tinham como base a luta pela democracia e pela liberdade. Ao mesmo tempo, possuíam suas próprias reivindicações, configurando, assim, um novo cenário de debates e ações em busca de uma sociedade cada vez mais igualitária em diferentes âmbitos.

O movimento estudantil foi primordial para esse processo, sendo o primeiro a retornar com as manifestações de rua e mobilizações em resistência ao regime militar, inicialmente em São Paulo, mas logo espalhando-se por todo o país. Lutando por duas pautas principais, as liberdades democráticas no país e a reconstrução da UNE (União Nacional dos Estudantes), ele foi, ainda, responsável por abrir espaço para outros movimentos sociais que surgiram e ressurgiram no Brasil.

Movimentos sociais protestam para expor publicamente ex-militares e policiais acusados de tortura, abusos sexuais e homicídios durante a ditadura militar. (Crédito: Foto repórter Bruno Bocchini/Agência Brasil)

Um dos movimentos que conseguiram retomar sua articulação no Brasil após anos de repressão no regime ditatorial, foi o movimento feminista, que também se empenhou em conquistar espaços igualitários de participação para a mulher, além de defender outras pautas sob a perspectiva do gênero. Durante o período de transição, o feminismo no país passou por importantes reorganizações, que se constituíram essenciais para sua consolidação no cenário atual.

Ainda durante o período de transição política, o movimento negro também se reorganizou e assumiu novas configurações. No final da década de 1970 foi criado o Movimento Negro Unificado, o MNU, primordial para uma articulação mais sólida, promovendo conferências e produções para a organização das reivindicações de direitos e de políticas públicas para a redução das desigualdades raciais e para o combate do racismo.

Dessa forma, mesmo que a abertura política tenha surgido dentro do regime militar, a pressão realizada pelos movimentos sociais foi fundamental para o processo de redemocratização do país. Importância expressa na participação desses grupos na Assembleia Nacional Constituinte (1987-88), marco recente de nossa história.

Texto produzido por Tainá Oliveira, bolsista de Treinamento Profissional do Memorial da República Presidente Itamar Franco sob supervisão de Mauro Gabriel Morais, coordenador de difusão cultural e educativo. Trabalho desenvolvido como atividade de pesquisa para a elaboração da exposição “Seres políticos, seres plurais”.

Leia também:

A democracia brasileira: as lutas coletivas e a responsabilidade individual

Siga o Memorial